Sobre a Patrícia

Um pouco do que aconteceu...

O inglês chegou na minha vida aos 15 anos, quando mudei para Inglaterra com meus pais e dois irmãos.
Logo me vi encantada com o som que aquelas palavras produziam e fui me deixando comover pela melodia do inglês britânico; fui permitindo que tudo aquilo entrasse em mim. Foi um processo árduo que me sugou muito, porém apresentou coisas que eu não sabia que eu tinha; de onde vinha tanta determinação e perfeccionismo de uma adolescente que nunca havia feito um curso de inglês na vida? Sou bem espiritualista e tenho a minha tese sobre isso. Fui concebida em Londres, quaaaaase nascida. Acho que algo ficou na minha alma e transpareceu com a mudança para Inglaterra.

‘Quero falar IGUAL a eles’ – dizia, repetia, isso não saía da minha cabeça. Eu não queria falar inglês de uma brasileira porque não queria que soubessem que eu era brasileira! Complexo, mas não tanto quando se pensa no bullying que sofri na escola por ser a ÚNICA estrangeira além do meu irmão. Por isso calei. Passei cerca de 6 meses muda; não falava na escola, não falava inglês perto de ninguém…estava desenvolvendo algo muito mágico dentro de mim. O inglês nascia aos poucos, passei a sonhar em inglês e pensar em inglês; tudo em segredo. Lia o dicionário, grifava, anotava, tudo me interessava e fui me deixando apaixonar pela língua.

No meio disso tudo veio a Rachel. Rachel era a psicóloga da escola a quem fui apresentada no primeiro dia de aula. Eu não falava um ‘A’ em inglês e entendia menos ainda. Mas teve alguma coisa no olhar da Rachel, na maneira que ela olhou fixamente pra mim e disse algo que eu não entendi, mas senti que podia vê-la para conversar sempre que quisesse.
As visitas a sala da Rachel eram diárias. Eu falava. Falava em português, falava por mímica, falava pelas lágrimas; mas o que ela realmente entendia era o que tava lá dentro, no coração de uma adoloscente meio perdida e saudosa. Aos poucos o inglês foi saindo e lembro até hoje de todas as vezes que Rachel me corrigiu; não esquecia mais. Uma vez e ponto.
Foi assim que eu aprendi inglês. Conversando! E dessa experiência surgiu a vontade de passar isso pra todo mundo que quer aprender inglês de verdade. Aos 20 anos decidi que seria professora de inglês e que teria o meu próprio método, porque esse eu sei que funciona.

Acredito que existe um jeito mais natural e eficiente de se aprender inglês do que somente através de livros de gramática e folhas de exercício. Uma maneira que foge do tradicional e realmente trás os resultados desejados. Foi assim que aprendi e assim que ensino inglês aos meus alunos.

Aposto no aprendizado pela conversa que aborde aspectos reais da vida de cada aluno, que, de uma forma descontraída porém exigente, acaba desenvolvendo a linguagem de uma maneira natural.
Tenho muito amor pelo meu trabalho e é imensamente gratificante testemunhar a satisfação de cada aluno ao embarcar nessa experiência.

Meus Diferenciais

Fluência e Sotaque
​Cresci na Inglaterra. Meu inglês é britânico.

Literatura Inglesa
Sou formada em Literatura Inglesa e Redação pela University of Westminster (Londres).

​​Experiência
Sou professora há 9 anos e já ensinei alunos de todas as regiões do Brasil e várias partes do mundo.

TOEFL: 110
Meu TOEFL score é 110, sendo que a nota máxima é 120. ​Fiz o teste para conhecê-lo bem e poder preparar os alunos.